segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

SUICIDE NOTE


Suicide Note, Teresa Mummert
LIVRO

Jen achava que tinha chegado ao fundo do poço, mas as coisas só fazem piorar e situações desesperadas requerem medidas extremas.


O livro não trata de suicídio, ou faz qualquer apologia. Na verdade a renúncia da vida, aqui é tratada em forma de mudança, a coragem e força para começar tudo de novo ou seguir em frente, esse foi o real sentido que podemos encontrar nesta leitura.
Os capítulos são alternados pelo ponto de vista dos protagonistas: Jen e Shane. De início conhecemos sobre a mocinha, que nos relata suas dificuldade e tristeza que esta sua vida. Aos poucos a autora nos revela os motivos, que neste caso ser sua família, mãe controladora, pai autoritário e uma irmã sem noção que te faz odiá-la logo nas primeiras páginas.
Em paralelo nos é apresentado Shane, o mocinho da estória, um homem muito complicado e de difícil socialização. Ele é uma pessoa muito reclusa, que desde de cedo teve que aprender a viver e se virar sozinho, com um histórico familiar bem trágico, Shane tenta viver da melhor maneira possível. Depois de uma situação bem conturbada que acaba passando logo após voltar da guerra (anos 2000, guerras no oriente, ele é soldado e esta com licença de alguns dias), ele também acha que chegou ao fundo do poço e é neste momento que conhece Jen.


A narrativa da autora é bem fluida e te faz ler rápido, o livro traz personagens bem interessantes e com uma estória bem típica de um new adult, com seus dramas, bem pesados, e um casal de protagonistas que te faz apaixonar e torcer para que fiquem juntos.
A autora conduz bem o romance, a estória, até a metade do livro, você espera por um clímax que não é lá estas coisas, sem surpresas ou empolgação, e de repente a autora começa a correr para um final que poderia ter sido melhor resolvido.
O livro não é ruim, mas poderia ser melhor, questões como o de Shane e sua família foi resolvida num passe de mágica, quando a autora poderia ter explorado mais a reconciliação com um parente dele.
Há pontos fortes, como o amadurecimento da irmã da Jen, que teve seu valor, embora também seria outro ponto em que a autora poderia ter explorado mais com seus pais. A protagonista teve sua trajetória bem desenvolvida, gostei quando ela deixou pra lá o status de coitadinha e resolveu tomar as rédeas de sua vida, saber o que quer e realmente e atrás, sem se prender a firulas.

New Adult, como uma boa construção, porém com um final deixando a desejar. Entretanto é um bom livro do gênero que vale a pena ser lido, com personagens cativantes e passagens bem emocionantes e com uma dose de ternura que te faz apaixonar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário